Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

quarta-feira, agosto 4

It´s democracy, stupid!

E agora um post perfeitamente inútil a propósito de nada, só porque apetece, e sem grande moral.

O sr. Michael Moore, realizador de Farenheit 9/11, filme-documentário (documoovie) anti-Bush, deve ser, de facto, perigoso.
Hoje passei pela FNAC e vi à venda um livro com o estonteante título Michael Moore Is a Big Fat Stupid White Man.
Li, na badana do livro, que os dois autores da obra - David T. Hardy e Jason Clarcke - se deram ao trabalho de investigar as incoerências e erros do sr. Moore (etiquetado de extrema-esquerda) sobre a sua saga anti-W. Bush, anti-guerra, anti-quase-tudo.
Há dias, Bowling for Columbine, vi um dos seus filmes anteriores. É tudo o que se espera que fosse: é um filme de causa (contra a venda de armas nos EUA), politicamente orientado, panfletário. E a «coisa» não é nada de especial.
Farenheit 9/11, pelo que leio nos jornais, nas revistas, na infinita Internet, deverá ser exactamente a mesma coisa; agora para servir a «guerra» mediática contra a guerra do Iraque, contra os republicanos; a favor dos democratas; para expor as fraquezas do sr. Jorge Dabliu.
O que não entendo lá muito bem é porque tanta gente da direita fica incomodada com o sr. Moore!? Levam o homem a sério? Levam o filme a sério?
O filme é propaganda. Ponto. A Casa Branca até tem uma máquina de propaganada ainda maior. As armas, afinal, até são desiguais...
Esta é a América de que eu gosto. Capaz deste sentido autocrítico, destes ataques violentos ao seu Presidente.
Digam lá que a democracia não é divertida?
|| Nuno Simas, 13:18

0 Comments:

Add a comment