Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

terça-feira, setembro 20

a campanha na Internet e os novos fenómenos: o video

A política invade tudo! A Internet - anarquia global por bytes - também. Por maioria de razão, aliás.
A campanha autárquica em Portugal esgarabulha por todo o lado.
E há uma nova tendência por aí: os videos em .mpeg a circular nos mais.

Logo que Jerónimo de Sousa anunciou que voltava à dança das presidenciais pelo PCP, começou a chegar aos mails de muitos o video da mais famosa passagem de ano do mundo comunista pós-queda do Muro de Berlim, em 1996, com as imagens do novo líder do PCP, então candidato presidencial, evoluindo em originais e bamboleantes passos de dança vagamente inspirados no cha-cha-cha e no mambo...
A brincar a brincar, foi à custa dessa imagem de candidato dançarino que o sr. Sousa, o metalúrgico-político, deu a conhecer o Jerónimo, o homem como outro qualquer. E tornou possível a difícil equação política: comunista ortodoxoXdança+televisão+campanha=homem comum e simpático.


Agora (enfim, há uns dias... o meu sentido de timing é uma desgraça!), logo após esse verdadeiro clássico da política burlesca e do grotestco - o frente-a-frente Carmona-Carrilho que acabou no não aperto de mão dos dois "pugilistas" - demorou poucas horas para me aparecer no email o video.
É hilariante a imagem do professor-filósofo a deixar o estúdio da SIC-Notícias com cinco quilos de papel debaixo do braço a fugir do aperto de mão do engenheiro-autarca de Lisboa, especialista em orçamentos de casas de banho do Palácio da Ajuda.

O debate Carmona-Carrilho - que ambos perderam por falta de elevação, embora Carrilho tenha ido ao extremo de se derrotar a si próprio - ficará na história (com h pequeno) como o debate do "não aperto de mão". No meio dos décibeis de ambos, pouco retive na memória sobre propostas para a cidade! Ficou apenas o "não aperto de mão" que a SIC-N repetiu até à exaustão.


Ainda não procurei na Internet, mas pergunto-me se já haverá estudos "lá fora" sobre "isto"?
|| Nuno Simas, 01:20

0 Comments:

Add a comment