Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

domingo, novembro 6

“Lascia la spina, cogli la rosa”



Opera Proibita, de Cecília Bartoli (Decca), é um disco magistral. Especialmente a aria “Lascia la spina, cogli la rosa”, de Haendel, que exibe a Bartoli no seu melhor. Com a ajuda da Amazon oiça-se um excerto aqui.
[Por volta de 1700, o Papa e os bispos proibiram as óperas, em Roma, em sinal de recolhimento devido ao clima de guerra na Europa. Em 1703, depois de dois sismos terem abalado a cidade sem causar vítimas, a proibição foi reforçada, em agradecimento à intervenção de Deus na protecção aos habitantes da cidade. No entanto, os bispos encomendaram - a Haendel, por exemplo - oratórios ou cantatas (mui parecidas com operas…) para ouvirem no recato dos seus palácios - isto de 1701 até 1710, aproximadamente. A Igreja tem esta tradição, já longa, de grande… coerência!]

As arias têm nomes inspiradores como “Caldo sangue” ou “Il Giardino di Rose”, ambas de Alessandro Scarlatti, ou “Sparga il senso lascivo veleno”, de Antonio Caldara. Ou ainda a cantata, “All'arme si accesi guerrieri (Aria dell Pace)”, de Scarlatti, um hino à paz.
A música é genial e a Bartoli demonstra, mais uma vez, o seu virtuosismo e excelência.
Pense-se o que se pensar da hipocrisia dos bispos, ainda bem que proibiram as operas em 1701. Lá por que, diziam eles, as operas (tão populares em Itália) corrompiam o povo, levando-o a cometer actos imorais!
A música é bela e “sobrevive” às convicções religiosas.
|| Nuno Simas, 00:01

0 Comments:

Add a comment