Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

segunda-feira, fevereiro 6

Cunhal

Acabei finalmente de ler (meteram-se umas presidenciais pelo meio) o terceiro volume da Biografia Política de Álvaro Cunhal, de José (Álvaro) Pacheco Pereira - o autor, já se vê, tem algo em comum com o biografado…
O título de mais este volume da biografia do líder histórico do PCP – Álvaro Cunhal, Uma Biografia Política – O Prisioneiro (Temas e Debates e Círculo de Leitores) – é ligeiramente enganador.
Não, não é só a biografia de Cunhal.
Este volume é, acima de tudo, a "biografia" do PCP e faz, por arrastamento, uma história do movimento anti-fascista nas décadas de 50 e 60 ao longo das suas 748 páginas (incluindo as notas e o índice remissivo).
Quem, a partir de agora, quiser historiar a luta contra o fascismo nessas duas décadas terá de ler este livro. Não só pela importância de Cunhal neste período histórico – de todas as lutas da sua vida, Cunhal ganhou essa, contra o fascismo. Mas também pela forma exaustiva como Pacheco Pereira relata, por exemplo, o envolvimento do PCP na campanha presidencial de Humberto Delgado ou os próprios movimentos que se opunham à ditadura. Ou ainda o estudo minucioso dos textos de Júlio Fogaça, arqui-rival de Cunhal, e líder (intermitente) do partido enquanto o líder histórico estava na prisão. E é neste período que Cunhal reforça o seu estatuto de líder e que surgem as campanhas internacionais a favor da sua libertação. É também neste período que Pablo Neruda lhe dedica um longo poema La Lampara Marina, reproduzido no livro, e com um link aqui.
Notáveis são os capítulos sobre o julgamento de Cunhal, sobre as estratégias de Álvaro para combater a solidão na prisão – é bom lembrar que Cunhal esteve preso quase 11 anos, ou seja mais de 4000 dias, 96 mil horas… - e que passavam por desenhar e por um intenso trabalho intelectual, quando a direcção prisional lho permitia. Ou ainda os relatos sobre a vida prisional em Peniche, a descrição da morte de Militão Ribeiro, na penitenciária de Lisboa, ou ainda o último capítulo, o da fuga.
A este volume não falta o drama e a polémica. É o capítulo II, sobre os anos duros dentro do PCP, das purgas e das mortes de militantes – alegadamente a mando da própria direcção do partido. A polémica durou umas semanas após a publicação do livro. Talvez Pacheco Pereira tenha arriscado ao escrever sobre algo – os assassínios – de que não tem (e era virtualmente impossível tê-lo...) sustentação documental ou testemunhal.
Venha o quarto volume!
|| Nuno Simas, 23:40

1 Comments:

chenlina20170117
michael kors outlet
toms shoes
christian louboutin shoes
louis vuitton belt
ralph lauren outlet
coach outlet
ralph lauren polo uk
polo ralph lauren
cheap jordans
gucci belts
Blogger chenlina, at 3:02 AM  

Add a comment