Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

segunda-feira, maio 29

Aleluia!

Já estava a achar estranho. Há quase uma semana que o Arrastão nasceu. Bem que lhe fui lendo as linhas e entrelinhas e nada, verdadeiramente nada, com que discordasse profundamente. Mau, mau Maria! Mas enfim, quem espera sempre alcança e hoje o Daniel lá me disponibilizou matéria - obrigado, muito obrigado.

Perante a pergunta de Bento XVI, ontem, em Auschwitz - verdadeiramente revolucionária, para um Papa - "onde estava Deus?", o Daniel pergunta: "E, já agora, onde estava o Vaticano?".

A pergunta é inteiramente legítima. Mas convém que quem a faça tenha um bocadinho de autoridade para a poder fazer. É certo que o Vaticano se comportou vergonhosamente perante o Holocausto (algo a que, evidentemente, não é alheio todo o milenar lastro anti-semita da organização). E daí que faça todo o sentido que essa mesma organização, revelando - no seu ritmo próprio - atenção ao seu próprio passado e aos erros que cometeu, peça desculpa pela sua colaboração no Holocausto, algo que, aliás, não aconteceu ontem pela primeira vez (em 26 de Março de 2000 o Papa João Paulo II visitou Jerusalém e, no Muro das Lamentações, depositou uma mensagem em que assumia a quota-parte da responsabilidade católica na perseguição dos judeus: "Deus dos nossos pais, que escolheste Abraão e os seus descendentes para trazer o Teu nome às nações: estamos profundamente tristes com o comportamento daqueles que, ao longo do curso da história, causaram sofrimento a estes teus filhos e, pedindo o teu perdão, manifestamos o desejo de nos comprometermos a uma irmandade genuína com o povo do convénio.")

Mas isto foi em 2000. Antes do 11 de Setembro (2001). Depois tem sido o que sabe, com a maldita questão do anti-semitismo a voltar ao topo da agenda. O gesto de Bento XVI, ontem, é assim particularmente importante pelo que transporta no subtexto: desta vez a Igreja está no lado correcto da História, não repetirá erros do passado. Vindo, ainda por cima, de um alemão - há ali um duplo problema de consciência -, o gesto tem ainda mais valor.

Meu caro Daniel,

Tu próprio militaste numa organização cuja assumidissima filiação internacional nunca foi conhecida por ser propriamente jew friendly, bem pelo contrário. Presumo que na altura em que te fizeste sócio dessa organização soubesses da sua história.

É certo que tu próprio podes dizer que, pessoalmente, nunca tiveste nada a ver com isso. Sim, eu sei. Mas quando se milita numa organização política - ou, a bem dizer, noutra qualquer - o nosso corpo doutrinário e patrimonial não é só o nosso, é também o da própria organização, no seu todo, querendo o seu todo dizer a sua história e, portanto, as suas solidariedades internacional.

Quero também garantir-te que nada há de fulanizado nesta conversa (embora pareça, admito). O que quero dizer é, afinal, muito simples: todos - pessoas, organizações - temos o nosso passado. Todos. E o que importa, sempre, é não esquecer isso, fazendo do presente (também) uma leitura do passado. Aprender alguma coisa. Evoluir. Foi o que tu fizeste (e eu também e toda a gente minimamente saudável). Não leves a mal a Santa Madre Igreja por fazer o mesmo.
|| JPH, 11:17

0 Comments:

Add a comment