Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

segunda-feira, abril 7

Costa Gomes, um Marechal no centro da tempestade

São 400 páginas que se lêem num ápice – eu li numa tarde e numa noite… Tempo recorde, mas, já sabem, aquela coisa das costas!…
O livro, o segundo editado pelo historiador Luís Nuno Rodrigues depois de “Salazar-Kennedy - a Crise de uma Aliança”, é uma biografia de Costa Gomes – “Marechal Costa Gomes – No centro da tempestade” (Esfera dos Livros).
É um trabalho notável. Pela documentação completíssima e alguma dela inédita – dos arquivos norte-americanos, do espólio do marechal no Centro de Documentação 25 de Abril, por exemplo.
Costa Gomes é uma personagem intrigante e complexa na vida política portuguesa.
General do Estado Novo, com formação NATO nos Estados Unidos, comandou milhares de tropas na “África Portuguesa”, apesar de desde cedo ter considerado que a vitória sobre os movimentos independentistas era impossível (provavelmente antes de Spínola, que publicou a tese no livro “Portugal e o Futuro”), crítico de Salazar e Caetano, a ponto de ser votado pelos jovens capitães para presidente da Junta de Salvação Nacional (JSN) após o 25 de Abril. Negociador, conciliador.
Essa forma furtiva de encarar as crises, especialmente durante os anos da revolução, valeu-lhe o epíteto de “Rolha” ou “Chico Cortiça”, de que compreensivelmente não gostava…
A sua paciência teve um papel central em 1975 para evitar que o país resvalasse para uma guerra civil. Apesar de todas as suspeitas de colaboração com “os comunistas”, foi, “malgré tous”, um elemento de apoio dos Estados Unidos e dos países ocidentais na tentativa de travar o ímpeto das extrema(s)-esquerda(s), da esquerda militar, dos comunistas.
Um dos aspectos interessantes é a hipótese de “chantagem” do PCP sobre o general, alegadamente feita pelo filho de Costa Gomes. Era o que pensavam Mário Soares e Salgado Zenha e o que diziam ao embaixador Carlucci. Em Washington, claro, pedia-se para a embaixada clarificar e explorar o assunto. Henry Kissinger e “associates” devem ter ficado a salivar...
Mas Costa Gomes, “malgré tout” e apesar de toda a fama de “rolha” ou “esquerdalho”, acabou por ser um dos “pontos de contacto” dos Estados Unidos, em quem os norte-americanos estavam “condenados” a confiar assuntos de realmente importantes: NATO; ponte aérea com Angola; descolonização...
“Marechal Costa Gomes – No centro da tempestade” é um livro bom, muito bom. É uma biografia e eu gosto de biografias. Depois, tem outra característica: está bem escrito.
|| Nuno Simas, 00:54

1 Comments:

jordan shoes
michael jordan shoes
michael kors handbags outlet
michael kors handbags
michael kors factory outlet
michael kors outlet
michael kors outlet online
michael kors outlet
michael kors outlet online
michael kors outlet
Blogger aaa kitty20101122, at 6:49 AM  

Add a comment