Glória Fácil...

...para Ana Sá Lopes (asl), Nuno Simas (ns) e João Pedro Henriques (JPH). Sobre tudo.[Correio para gfacil@gmail.com]

terça-feira, janeiro 23

Defender sabe-se lá o quê (II)

Recapitulando. Aqui, Sofia Loureiro dos Santos escreveu isto:

(...) "Ao contrário do que a Fernanda Câncio afirma, todas as notícias que foram veiculadas pela comunicação social, escrita e falada, foram absolutamente tendenciosas na forma como falaram da situação, apresentando o pai biológico como um estupor sem coração, a mãe biológica como uma desgraçada que tenta salvar a filha, os pais adoptantes como anjos caídos do céu e o colectivo de juízes como algozes, que administram o mal absoluto."

Questionei-lhe então a taxativa sentença, pedindo, acho que de forma gentil, se me "podia indicar, SFF, pelo menos meia dúzia de notícias (já não peço em "todas", para lhe facilitar a tarefa) "absolutamente tendenciosas" sobre o assunto. E, já agora, justificar porque as considerou assim."

Na volta do correio, Sofia reconhece:

(...) "Começo por lhe dar razão: não deveria ter escrito “todas as notícias” porque, em boa verdade e pelo rigor dos factos, eu não as posso ter lido “todas”, para o poder assegurar. E talvez “absolutamente tendenciosas” não tenha sido a melhor das expressões."

E pronto, agora tenho de contar até dez mil para me manter num nível de gentileza que não ofenda a Sofia. Porque eu pedi-lhe apenas meia dúzia de exemplos de "notícias" "absolutamente tendenciosas" sobre este "caso Esmeralda" e, na resposta, nem seis, nem cinco, nem quatro, nem três, nem duas, nem uma: nada, nicles, zero. É realmente de um tipo se passar dos carretos perceber como os zeladores blogosféricos da correcção jornalistica são tão bons a exigir dos outros e tão maus a exigir deles próprios.

Depois, a Sofia interpela-me sobre o resto do seu primeiro post e quer eu fale sobre "isenção" e "qualidade informativa" e "manipulação da informação" - "ou seja, o cerne da questão". Só não o fiz porque primeiro queria tentar perceber onde se baseava para afirmar, taxativa, que "todas as notícias" sobre o "caso Esmeralda" eram "absolutamente tendenciosas". Percebendo agora que essa sua impressão afinal não passa disso mesmo, uma impressão, com o que isso implica de ligeireza, respondo-lhe ao desafio.

Este post já vai longo, tentarei por isso ser sintético. Há vários género no jornalismo: notícias, análises, opiniões, entrevistas, reportagens, crónicas, etc. Considero, face ao "caso Esmeralda" - e é só desse que falo porque foi dele que nasceu esta conversa - que a cobertura noticiosa tem sido, no essencial, correcta, fornecendo o quadro global da controvérsia, não omitindo pormenores revelantes. Isto têm sido as notícias.

Depois o que há são opiniões. E essas têm surgido baseadas em tudo e mais alguma coisa: ou na leitura cuidada das notícias e na atenção aos pormenores ou então numa leitura descuidada, que pouco passa (se é que passa) do títulos, enfim, baseadas em pouco mais do que impressões. Presumirá, como eu, que os jornalistas responsáveis pelas notícias não são responsáveis pela qualidade da opinião que delas resultam. E que não compete às direcções editoriais censurar opiniões, às vezes até de pessoas tecnicamente credenciadas para o efeito, construídas numa lógica leve e fresca (digamos assim). Além do mais, terá de reconhecer que o caso tem todos os condimentos para suscitar leituras emocionais - e o que o estranho (direi mesmo: o grave) seria que isso não acontecesse.

Estaríamos, no fundo, todos mortos - e claramente não estamos.
|| JPH, 20:02

1 Comments:

vans shoes
yeezy
tory burch shoes
christian louboutin shoes
yeezys
nike air zoom pegasus 32
vibram fivefingers
curry 3
yeezy sneakers
adidas tubular
Blogger jeje, at 9:14 AM  

Add a comment